O que é ser forte pra você?

Sou alguém que nunca se permitiu ser frágil porque fui ensinada desde cedo que isso era sinal de fracasso, foi a criação que recebi e isso sempre esteve entranhado em mim. Mas esses dias meu psicólogo me disse uma coisa que abriu minha mente: ser frágil não é o contrário de forte, porque o contrário de forte é fraco, enquanto de frágil, resistente. Ao ouvir isso ficou muito nítido pra mim porque consigo ser durona e enfrentar com a cara e a coragem dilemas e adversidades gigantescas ao mesmo tempo que sou chorona e me vejo por vezes derrubada por uma palavra só. É que não tem essa de “não me permitir ser frágil”, eu sou e ponto. Sou frágil e forte, tudo ao mesmo tempo. E ele ainda continuou, dizendo que frágil é o que precisa de cuidado e que isso não tem nada a ver com fraqueza, porque precisar de cuidado não é errado, não é ruim, não é feio, é humano apenas. Hoje é nítido pra mim que sou sim mulher muralha, capaz de peitar o mundo como uma torrente de resiliência, mas também sou essencialmente humana, aquela que precisa de colo, de mimos, de ser cuidada e de todo tipo de atenção para ter nisso combustível pra continuar tancando as merdas da vida com maestria. O que acontece é que na maior parte do tempo sinto esse combustível em falta, e aqui eu voltaria naquela questão de ter o direito de ser amada negado, mas disso já falei bastante. Nesse breve relato só queria dizer isso, que sou forte pra conseguir sobreviver, mas é a minha fragilidade que me torna viva, e está tudo bem, desde que haja o cuidado necessário para que essa fragilidade não me quebre ao meio.

Todo mundo precisa de carinho e oferecemos ele até aos mortos, mas certamente quem diz não precisar é porque já morreu por dentro.


E que vivamos com menos frieza.